DANÇAS


Alagoas possui três danças folclóricas espalhadas pelas diversas regiões e duas danças de origem étnica, mais precisamente indígenas. Das três danças folclóricas, a mais significativa pela sua importância social e presença quase sempre garantida nas festas populares é o Coco, conhecido também como samba ou pagode. A Roda de Adulto, que é uma variante das cirandas pernambucanas, ainda é encontrada entremeando os cocos e a Dança de São Gonçalo - dança de caráter religioso - em Água Branca ou mais precisamente na Sera do Ouricuri. A Quadrilha consta nessa relação, mas ela entra como dança urbana, e não dança folclórica.


 

Grupos de Dança de São Gonçalo


Coco Alagoano

O Coco alagoano é uma dança cantada, sendo acompanhada pela batida dos pés ou tropel. Também é denominada de PAGODE ou SAMBA. Surge na época junina ou em outras ocasiões que se quer festejar acontecimentos importantes nas comunidades rurais. Por ocasião da tapagem das casas, o Coco aparece em todo o seu esplendor. Os grupos de Coco Alagoano são:


Arapiraca - Alagoas - Região Agreste


Maceió - Alagoas - Região Metropolitana


Arapiraca - Alagoas


Maceió - Alagoas - Região Metropolitana


Maceió - Alagoas - Região Metropolitana


Pão de Açúcar - Alagoas - Região da Bacia Leiteira


Maceió - Alagoas - Região Metropolitana


Rio Largo - Alagoas - Região Metropolitana


Maceió - Alagoas - Região Metropolitana


Branquinha - Alagoas - Região dos Vales do Paraíba e Mundaú


Murici - Alagoas - Região do Vale do Paraíba e Mundaú


União dos Palmares - Alagoas - Região do Vale do Paraiba e Mundaú


Maceió - Alagoas - Região Metropolitana


Maceió - Alagoas - Região Metropolitana


Palmeira dos Índios - Alagoas - Região do Vale do Paraíba e Mundaú


Embolador - Maceió - Alagoas


Santa Luzia do Norte - Alagoas - Região Metropolitana


Coqueiro Seco - Alagoas - Região Metropolitana


Maceió - Alagoas - Região Metropolitana


Maceió - Alagoas - Região Metropolitana


Maceió - Alagoas - Metropolitana


Maceió - Alagoas - Região Metropolitana


Japaratinga - Alagoas - Região Norte


Maceió - Alagoas - Região Metropolitana


Pão de Açúcar - Alagoas - Região Bacia Leiteira


Maceió - Alagoas - Região Metropolitana


Cajueiro - Alagoas - Região Vale do Paraíba e Mundaú


Maceió - Alagoas - Região Metropolitana


Viçosa - Alagoas - Região do Vale do Paraíba e do Mundaú

 

Roda de Adultos


Quadrilha-Dança Urbana


Maceió - Alagoas - Região Metropolitana


Maceió - Alagoas - Região Metropolitana


Coruripe - Alagoas - Região Sul


Coruripe - Alagoas - Região Metropolitana


Messias - Alagoas - Região Metropolitana


Satuba - Alagoas - Região Metropolitana


Maceió - Alagoas - Região Metropolitana

 

Dança da Fita


Arapiraca - Alagoas- Região Agreste


Maceió - Alagoas - Região Metropolitana

 

Torés


De origem indígena, o Toré é considerado o verbo encarnado pelos índios, elemento de ligação entre EI-UKA - senhor do mundo e criador de todas as coisas - Deus para os católicos, e os homens. Para agradecer e agradar as divindades ou para rezar suas orações, os cablocos dançam em círculo, fazendo movimentos coreográficos simples e ritmados. Ora, os brancos, ouvindo os índios dizerem que iam culturar Toré, entenderam que a dança ritual possuía esse nome e Toré passou a designar, para os homens brancos, a dança dos índios. Esse erro de interpretação permanece até hoje. Já o Toré de Xangô é prática de terreiro afro-brasileiro. Corresponde ao catimbó e a pajelança de outros Estados. É a reunião dos crentes com a finalidade de encontrar remédios para os doentes, que são recebidos através dos caboclos que baixam e receitam ao som dos maracás.


Para os índios Xucurus-Cariris, El-U-KA é o senhor do mundo e criador de todas as coisas. Deus para os católicos. Toré é o verbo encarnado, elemento de ligação entre El-U-KA e os homens. Corresponde a Jesus para os católicos. Para agradecer e agradar a essas divindades, ou para rezar suas orações, os cablocos dançam em círculos, fazem movimentos coreográficos simples e ritmados. Ora, os brancos ouvindo os índios dizerem quem iam cultuar Toré, entenderam que a dança ritual possuia esse nome, e Toré passou a designar, para os homens brancos, a dança dos índios. Esse erro de interpretação permanece até hoje. Os grupos de Toré de Índio são:


De origem indígena, o toré é prática de terreiros afro-brasileiros. Corresponde ao Catimbó e à Pajelança de outros Estados.

Um comentário:

  1. Olá, gostaria de saber se vc sabe se algum desses grupos possui um curso extra de dança, que seja semanalmente, ou se algum deles da acesso para aprendermos a dança. Ou se tem algum lugar que promova esses cursos, sem ser com os grupos folclóricos propriamente. Porém se souber dos lugares de ensaio e se podem ser assistidos a princípio. Agradeço pela atenção e se puder passar alguma informação, elizandralucca@gmail.com !

    ResponderExcluir