quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Guerreiro - cultura popular e sua proteção contra o mau-olhado nos 30 anos da Asfopal


No último dia 19, foi apresentado o show “30 anos da Asfopal”, no projeto Teatro Deodoro é o Maior Barato e uma semana depois, 26, foi publicada uma “crítica”, ou algo parecido, no jornal Gazeta de Alagoas, digo algo parecido, pois o tom de desmerecimento ao que foi mostrado, a aproxima mais do recalque e acúmulo de ignorância sobre o tema tratado, do que uma crítica, e quando falo de ignorância é no sentido mais claro da palavra, que é falta de conhecimento, tão perturbadora ainda mais para quem se propõe escrever ou comentar sobre um assunto, e por assinar o seu escrito como Jornalista.

O escrevinhador, em questão, meu amigo e de quem sou admirador, como ele mesmo se colocou, foi deselegante em vários momentos, já iniciando seu texto dizendo: “O público era diminuto até o terceiro toque da chamada para o início do espetáculo. De repente, não mais que de repente, uma profusão de jovens adolescentes ocupou todas as poltronas da plateia e alguns camarotes”, além do próprio título do referido texto: "Foi sem ter sido". Ora, colocamos no teatro mais de 240 pessoas naquela noite, muito mais do que, infelizmente, nomes de “peso” da nossa cultura, mais especificamente, da nossa música, consegue levar.

O recalque chegou ao ponto de dizer que ele não viu ali um show ou espetáculo, pois não teria havido um “tratamento cênico” aos mestres e brincantes. O que ele queria? Um mestre ou mestra dependurados em cordas flutuando no palco? Mas a falta de entendimento do que seja a proposta do espetáculo deve fazer isso? Mas com certeza comemoraríamos os 30 anos da Asfopal (Associação dos Folguedos Populares de Alagoas) com mestres, mestras e brincantes saltitando em pontas de pés, como um belo balé clássico ou com um tambozeiro, pifeiro ou sanfoneiro realizando solos, com seus instrumentos, capazes de arrancar aplausos enlouquecidos. Será que teríamos que travesti a cultura popular para estarmos no Teatro? Tudo isso para agradar a pessoas que nem de longe se movem em prol da cultura popular? Parece que o colega, esqueceu que o show era de cultura popular, e não mais um show parafolclórico, que tantos estão acostumados a ver naquele palco e em tantos outros.
 
Tentamos levar ao palco uma amostra atual do que temos hoje na Asfopal. Houve sim problemas com os músicos, que fizeram com que os grupos ficassem impossibilitados de brilhar mais. Foi uma infelicidade, mas a essência da cultura popular estava ali presente, sem se humilhar ou ameaçar os poderes públicos em busca de espaços. Estavam lá por merecimento, pois a verdadeira arte vem do povo. O teatro é do povo, mesmo que pseudo-artistas de classe média não a reconheçam assim e virem o nariz quando essas pessoas ocupam espaços como o Teatro Deodoro, sem protecionismos ou favorecimentos. A cultura popular tem que recuperar seu espaço nas artes e, se o brilho, a energia, a arte e talento desses mestres e brincantes, quando apresentados no palco, não pode ser chamado de show ou espetáculo, temos que rever esse conceito. O preconceito com a cultura popular aparece sempre que eventos assim acontecem. Nestas horas é que as frustrações egocêntricas de quem quer que seja, afloram. Que os capuzes do preconceito e da ignorância caiam, pois, sabe porquê um chapéu de Guerreiro tem tantos espelhos? Não é só pelo brilho e beleza, não. É, segundo a cultura popular, uma proteção contra o mau-olhado, a inveja. Simbólico e apropriado para o evento, não?
 
Ah, e se até hoje, como levantou o colega escrevinhador, a Asfopal não tem como Presidente, um mestre da cultura popular, foi porque até agora nenhum deles se interessou ou conseguiu conquistar os próprios colegas para tal, e como exemplo mostro o que aconteceu recentemente. Com a minha saída da presidência da Asfopal, em julho passado, em assembleia, indiquei o nome de Cícero Abdias, mais conhecido como Cicinho, do Guerreiro Campeão do Trenado, mestre e filho de mestre de Guerreiro, e como vice, o mestre André Joaquim, mas de uma reunião para outra (elas são quinzenais), o próprio Cicinho, pediu para o colega radialista, também membro da Asfopal Marcos Lima, se lançasse como presidente e ele, Cicinho ficaria como vice, e foi o que foi feito, por iniciativa dos próprios mestres.
 
Comemoramos sim, 30 anos da Asfopal, que incomoda, pois uma associação com tantos anos e associados, persiste, ao contrário de outras entidades semelhantes sem a mesma longevidade e reconhecimento, por causa de mesquinharias, inveja, desvios de conduta, se acabam, sem sequer deixar saudades.
 
Não sou defensor, ou representante-mor de ninguém, mas graças a minha educação em casa, minha história, a Ranílson França, Mestre Verdelinho, Mestra Hilda, ao Mestre Isaldino (Fandango do Pontal), Mestre Venâncio, Nelson da Rabeca, Geraldo José, Chau do Pife, Mestre Juvenal Leonardo, Mestre Juvenal Domingos, Mestre Juvenal Juvêncio, Mestre Venâncio, Mestre Olvídio, Josefina Novaes, Sônia Lucena, Mestre Cicinho Abdias, Mestre André, Mestra Maura Góes, Mestra Dolores, Flávio Santos e tantos outros brincantes, mestres, mestras e defensores de fato, da cultura popular de Alagoas, que hoje são a minha família, também, não poderia me calar diante de tantos impropérios.
 
Falem sempre da Asfopal e da cultura popular, mas não esperem que nos calem, pois hoje o perfil de "coitadinhos" mudou bastante e a fé que nos move continua inabalável, pois: Guerreiro, cheguei agora, Nossa Senhora é nossa defesa!!!
 
Ah, e nos 30 anos, em dezembro, não teremos só arroz doce, bolacha brasileira, caldo de cana, não. Teremos bolo, salgadinhos, refrigerantes, cerveja e até espumante, pois quem gosta de miséria, não são os humildes não, e estão todos convidados.
 
Keyler Simões
Jornalista, Produtor Cultural, 
Ex-presidente da Asfopal e Produtor do referido espetáculo

segunda-feira, 10 de agosto de 2015

30 anos de Asfopal - Cultura Popular sobe ao palco do Teatro Deodoro

 

 
Na próxima quarta (19/08), na semana do folclore, o projeto Teatro Deodoro é o Maior Barato apresentará o espetáculo “30 anos de Asfopal”, que propõe-se a celebrar as três décadas desta instituição, a mais antiga de cultura popular, em atividade de Alagoas que reúne mais de 20 grupos de cultura popular como Guerreiro, Pastoril, Baianas, Banda de Pífanos, Maracatu, Taieira, etc. O show é composto de formato pout-pourri, onde 09 desses grupos irão se apresentar, no sistema de alternância, mostrando um pouco da riqueza dos grupos  da Associação de Folguedos Populares de Alagoas.


O espetáculo fará parte do documentário que será lançado em dezembro, em DVD, quando é o mês do nosso aniversário comemorativo dos 30 anos.

A Direção e Produção do espetáculo é do Jornalista e Produtor Cultural, Keyler Simões, ex-presidente da Asfopal, com coordenação de Ivan Barsand.

Grupos participantes:
 
Guerreiro Campeão do Trenado
Baianas Mensageiras Santa Luzia
Banda de Pífanos Flor do Nordeste
Baianas Flor do Bairro
Banda de Pífanos São José
Guerreiro Mensageiros de Padre Cícero
Guerreiro São Pedro Alagoano
Guerreiro Vencedor Alagoano
 
SERVIÇO
Show: 30 anos de Asfopal
Local: Teatro Deodoro
Dia: quarta-feira, 19 de agosto
Horário: 19h30
Ingressos: R$ 10,00 e R$ 5,00, à venda na bilheteria do Teatro e com os grupos da ASFOPAL
Informações: (82) 99971-4281
Ingressos: Os ingressos para os espetáculos do Maior Barato podem ser adquiridos na bilheteria do teatro, a partir das 14h, de terça a sexta-feira e nos finais de semana, quando houver espetáculo no Deodoro, a preços populares (R$ 10,00 a entrada inteira, e R$ 5,00, a meia-entrada).

quarta-feira, 29 de abril de 2015

Secretaria de Cultura de Alagoas dá calote em Mestres populares

O Governo do Estado de Alagoas está com três meses em atraso com o pagamento da bolsa do Registro do Patrimônio Vivo, destinada aos mestres e mestras que repassam seus conhecimentos para as novas gerações. A bolsa repassa um valor equivalente a um salário-mínimo e meio.

Há um mês e meio, (conforme este link http://g1.globo.com/…/secult-al-anuncia-liberacao-de-valor-…) a Secult afirmou que regularizaria os pagamentos, o que não ocorreu. Ligamos na manhã desta quarta (29/04) ...para a SECULT e depois de tentarmos diversos números conseguimos falar com a senhora Leda, que nos deu o número da sala do senhor Clezivaldo. Ligamos por diversas vezes e não atendeu. Ligamos novamente para um número do Gabinete da Secretária, Mellina Freitas e desta vez quem atendeu foi a senhora Tereza Machado, Assessora de comunicação da SECULT, que confirmou que o assunto seria com Clezivaldo, mas que pediria para nos ligar ao encontrá-lo. Demos o nosso número e até agora aguardamos uma resposta.
É impressionante a falta de respeito, de consideração e de educação destas pessoas, que se comportam como se fizessem um favor aos mestres. Não é favor não!! É uma lei, e como toda lei, tem que ser obedecida.
Respeitem esses mestres e mestras. Regularizem os pagamentos. Pois agora vamos cobrar de forma mais efetiva. Não mexam com quem dar o sangue por nossa cultura. Vocês, da Secult, se comportam como aventureiros. Nos respeitem!!!
 A matéria abaixo mostra a mentira desta secretaria. Prometeram pagar os meses em atraso nos "próximos dias" e passaram-se 46 dias e nada foi feito. São três meses em atraso.

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

Cultura Popular perdeu Edna Seixas nesta segunda (16)



Faleceu na manhã desta segunda (16) a senhora Edna Seixas, mestra de Pastoril, Baianas e quadrilha de Alagoas, além de ser integrante da Diretoria da Associação dos Folguedos Populares de Alagoas (ASFOPAL) como 2ª Secretária e  sempre atuante e respeitada pelos colegas. 

Ainda não sabemos a causa do falecimento, apenas que o enterro acontecerá na tarde de hoje, às 16h, no Cemitério Nossa Senhora Mãe do Povo (Cemitério de Jaraguá).


Edna Seixas, fazia parte da ASFOPAL desde sua criação há quase 30 anos e foi coordenadora de grupos como:  Amantes do samba, Baiana Flôr de Lis; Pastoril Flôr do Campo; Coral Folclórico de Alagoas e Grupo Musical As Poderosas do Samba.




Em uma das reuniões da ASFOPAL. Edna sempre foi muito ativa.

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Vídeo - Pastoril Estrela de Belém




Apresentação em 16 de agosto de 2014, no projeto Giro dos Folguedos em comemoração ao Mês das Tradições Populares, na orla de Ponta Verde, em Maceió (AL). Realização: Prefeitura de Maceió e Fundação Municipal de Ação Cultural.

Patrimônio Vivo de Alagoas completa 10 anos com mestres consagrados

A legislação do Patrimônio Vivo de Alagoas está completando dez anos em 2014. A lei, implementada em 2004 e reformulada em 2010, garante às novas gerações o repasse dos saberes por pessoas que detenham conhecimentos em diversos aspectos da cultura alagoana, os chamados “mestres do saber”.

Atualmente, Alagoas conta com 38 mestres que atuam, há mais de 20 anos, na preservação da cultura tradicional ou popular em diversas comunidades. Dois deles foram selecionados pelo edital de Inscrição no Livro de Registro do Patrimônio Vivo do Estado de Alagoas, publicado no Diário Oficial do Estado (DOE) em março deste ano, e aguardam aprovação do Conselho de Cultura.

Ao todo, são 40 vagas destinadas às pessoas com saberes relacionados a danças e folguedos, literatura oral e/ou escrita, gastronomia, música, teatro, artesanato e outras práticas. Após o lançamento do edital 2014, faleceu o representante cultural do Boi de Carnaval, o Mestre Vevéu. Recentemente, o grupo Samba de Matuto Leão da Primavera em Maragogi perdeu seu líder, mestre Sebastião, que deixou o legado da perpetuação do folguedo. Os dois registros, então, deverão ser preenchidos por meio de novo edital em 2015.

Segundo a superintendente de Identidade e Diversidade Cultural da Secretaria de Estado da Cultura (Secult), há muitos representantes da cultura alagoana que merecem ser considerados Patrimônio Vivo do Estado pelo trabalho que desenvolvem, mas os editais são abertos apenas em caso de falecimento de algum dos 40 mestres.

O livro Patrimônio Imaterial no Brasil, uma publicação de dezembro de 2008 de autoria da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), que reúne e comenta as leis dessa natureza em todo o país, aponta Alagoas como um dos 12 estados da federação que dispõem da legislação no âmbito cultural.

Em 2010, a lei aprovou, além do incremento na quantidade de inscrições, o aumento do valor da bolsa de incentivo – que é de um salário mínimo e meio. “A bolsa de incentivo tem a finalidade de estimular a atuação desses mestres e não deve ser vista como uma ação assistencialista. A essência dessa lei está em ajudar, em estimular a manutenção e transmissão dos conhecimentos de tradição”, observou Adriana.

De acordo com a superintendente, a legislação também é uma forma de valorizar pessoas que nunca frequentaram uma escola e não passaram por uma educação formal, mas que por causa da vivência, experiência e atuação foram reconhecidas pela riqueza cultural que possuem e pela capacidade de transmissão da tradição que as envolve.

Ao longo desta semana, a Agência Alagoas apresentará cinco dos atuais mestres do saber registrados no livro do Patrimônio Vivo do Estado, os trabalhos que desenvolvem e como atuam na preservação da cultura popular de Alagoas.Bárbara Pacheco

Vídeo - Guerreiro Mensageiros de Padre Cícero - Mestre André



Apresentação em 23 de agosto de 2014, no projeto Giro dos Folguedos em comemoração ao Mês das Tradições Populares, na orla de Ponta Verde, em Maceió (AL). Realização: Prefeitura de Maceió e Fundação Municipal de Ação Cultural